• Guilherme Sant'Anna - Psicólogo

PSICOnews | A dor do luto: tristeza que pode virar saudade


Não me lembro de um ano em que tantas pessoas próximas morreram quanto em 2020. Essa é a experiência de diversas pessoas que conheço e é possível que seja a sua também. A morte de alguém querido já costuma ser uma experiência difícil, mas quando isso acontece com várias pessoas, a dificuldade é multiplicada. Em meu trabalho como psicólogo, percebo como as pessoas esperam fórmulas, técnicas que façam desaparecer a dor do luto. Isso me faz pensar em como o luto se torna mais difícil quando temos determinados tipos de relação com a morte.

Em nossa cultura, não costumamos lidar muito bem com a morte. Mesmo que ela chame a atenção e os noticiários falem diariamente de assassinatos e acidentes, a morte costuma ser tratada como se fosse algo distante, que acontece com os outros e não comigo e com os meus. Então, quando acontece de alguém próximo morrer, nos surpreendemos e sofremos. Como se a morte fosse um erro, algo possível de ser completamente evitado. Todavia, ela é sempre uma possibilidade que estava aí, mas que desconsiderávamos, vivíamos com a possibilidade da morte esquecida. Esquecida, longe da nossa atenção, mas sempre presente em nosso dia a dia. Quantos seres morrem para nos alimentar, para que possamos viver? Quantas mortes acontecem e não damos atenção? Parece que insistimos em achar que a morte não faz parte da vida e, quando ela bate à nossa porta, sofremos desiludidos. A sabedoria de Chuang Tzu, mestre taoísta do séc IV a.C, nos ajuda a lembrar que, assim como as estações do ano, as plantas, os animais e tudo na natureza, a existência humana passa por transformações. A morte é uma delas. A seguir, uma das histórias deixadas pelo mestre chinês: “Morreu a esposa de Chuang Tzu. Quando Hui Tzu veio oferecer as suas condolências, encontrou-o agachado, batendo numa panela e cantando.

— Sua esposa viveu tanto tempo com você — disse Hui Tzu —, você teve filhos com ela, os criaram e os dois envelheceram juntos. Não lamentar a sua morte já é muito! Mas esse batucar e essa cantoria, será que não é demais?

— Não, — retrucou Chuang Tzu — de forma alguma. Logo que ela morreu, como poderia deixar de me sentir triste? Mas examinei profundamente a questão e vi que, se buscarmos o início dela, ela não tinha vida antes de nascer. E não só era sem vida, mas também sem forma física. E não só sem forma, mas não tinha sequer energia vital. Em meio aquilo que é opaco e obscuro houve uma transformação, e ela obteve energia vital; então a energia vital se alterou, e ela ganhou forma; e a forma mudou, e ela teve vida. Agora que ocorreu nova mudança e ela está morta, é como a sucessão de primavera, verão, outono e inverno. Minha esposa falecida repousa tranquilamente entre o céu e a terra. Se eu me esgoelasse lamentando pela morte dela, isso mostraria minha ignorância sobre o que é o destino. Então parei de lamuriar.”* Nossas relações com nossos queridos que faleceram não se encerram com a morte do corpo, elas se transformam. O processo de luto, ainda que não costume ser tão rápido como o da história, tem a ver com a reflexão proposta por Chuang Tzu: a transformação da tristeza pela morte de alguém em saudade. Costumo dizer que não há fórmulas que garantam essa transformação, mas caminhos. O choro, o acolhimento entre parentes e amigos, ou um atendimento com um psicoterapeuta podem ajudar. Que a tristeza vire saudade é muito importante, pois, mesmo que não tenhamos mais a presença física, temos sonhos, amores e lembranças que permanecem. São como memórias de verões a lembrar que os invernos, por mais árduos que sejam, também passam.

*O trecho do texto de Chuang Tzu foi extraído do livro Zhuangzi, da editora Hunan People’s Publishing House, e traduzido do inglês por mim. Guilherme Sant'Anna é psicólogo formado pela UERJ e atualmente cursa o mestrado em Psicologia Social nessa mesma universidade. Realiza atendimentos de psicoterapia online, você pode entrar em contato com ele pelos seguintes meios: Instagram: https://www.instagram.com/guilhermesantanna.psi/ Medium: https://medium.com/@guilhermesantannapsi E-mail: guilhermesantpsi@gmail.com Whatsapp: (21) 988021858


Clique na imagem para baixar aplicativo da Rádio para celular
image1.jpg
Ajude a manter vivo o Jornalismo Local

Pedimos sua contribuição para mantermos um jornalismo profissional, valorizando informações qualificadas, contra fake news e dando voz a nossa região. Somente com seu apoio e ajuda financeira, conseguiremos continuar trabalhando para todos vocês, que confiam na nossa missão.

© 2020 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil