© 2018 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil

Quinta (14) tem sarau “Eu sou porque Nós somos” com homenagens na Arena em Madureira

November 12, 2019

O Sarau “Eu sou porque Nós somos” homenageia Marielle, Anderson e tantos da Maré, tantas favelas e lugares e que foram brutalmente assassinados, assim como violentados de diferentes formas, principalmente favelados, periféricos, negros, mulheres, LGBTs. A homenagem é também em especial à trajetória de uma “Mareense” que contribuiu imensamente na luta pelos direitos humanos, pela ocupação das universidades públicas por jovens favelados e periféricos. As apresentações artísticas são realizadas por artistas e coletivos compostos por uma ou mais representatividades como favelados, periféricos, negros, mulheres, LGBTs.


Entre as atrações:

Cia bUsina Teatral  - um coletivo da Maré com artistas faveladxs, periféricxs, negrxs, mulheres, LGBTs, que atuam com diferentes linguagens artísticas, como teatro, dança, música, poesia, palhaçaria, tanto em espaços convencionais, quanto em espaços alternativos, para público de todas idades, buscando através da arte contribuir pela transformação e fortalecimento individual e coletivo.  

 

Nizaj -  Músico angolano e morador do Complexo da Maré, ex-vocalista da banda crônicos. Nizaj, de 21 anos, integra agora Black Owl Records. Ele usa a música através do rap para exercer a sua militância!  

 

Ellas - estudante de Direito na UFRJ, por meio do slam (poesia falada ou spoken word) promove a conscientização a populações periféricas. Atualmente, inicia um projeto de arte como terapia e a pessoas privadas de liberdade. Leva sua arte em escolas, universidades, saraus e às ruas.  

 

Turita Rap - Com uma voz inconfundível, o rapper carioca traz em seus trabalhos autorais *ênfases* relacionadas às forças femininas no mundo atual. Uma de suas músicas de trabalho chama-se *Guerreira*, que descreve uma mulher batalhadora, independente e audaciosa.  

 

Cia Negresco - Fundada em 2016,  começou atuando em escolas municipais com oficinas teatrais e musicais voltados pra memória da herança preta e afrobrasilidade. A esquete "Dos Nossos para os Nossos" fala das mazelas que afligem o povo preto desde os tempos da escravidão até os dias de hoje.  

 

Juan James - Morador do Caju, 19 anos, integrante da Cia bUsina Teatral e Cia Ubuntu Caju, compositor, escritor, ator, artista de rua e poeta de ônibus.  

 

Aulão de dança de salão e forró com a turma da Arena de Madureira. - A Oficina de Dança de Salão da Arena de Madureira desenvolve os ritmos de bolero, samba de gafieira, soltinho e forró aprendendo juntxs passos da dança e da vida nas aulas, bailes, ensaios, apresentações, confraternizações, encontros com dança, arte, amizade, amor, vida e alegria.  

 

Esquete "Nem Todo Filho Vinga" - Nem Todo Filho Vinga conta a história de Maicon: um jovem preto, morador da Maré, estudante universitário no Curso de Letras. Quando sua namorada, Cláudia, uma jovem negra, engravida, Maicon sente seu futuro ameaçado. Eles decidem realizar o aborto do feto, mas nenhum dos dois tem a grana necessária para realizar o procedimento. Então, Cláudia decide pedir dinheiro emprestado a Carlão, amigo de infância de Maicon. Eles cresceram juntos, mas acabaram seguindo caminhos distintos. Carlão entrou para o tráfico de drogas. A vida do crime de Carlão faz com que Maicon não queira aceitar ao empréstimo do antigo amigo. Porém, ao descobrir que há uma boa recompensa pela denúncia de Carlão à polícia, Maicon considera o ato como uma saída para os seus problemas. A dúvida paira pela cabeça de Maicon. Denunciar ou não seu amigo? Sua vida vale mais do que a dele?  

 

Exposição de desenhos da Cassiane Sena - Cassiane Sena, 22 anos. Aquarelista.
Começou a desenhar como um hobby, um tempo depois se apaixonou pela arte. Expôs a primeira vez ao público no varal coletivo do @slamdarampa e não parou desde então, sendo uma das artistas fixas na exposição de desenhos autorais. Já colaborou para a página @poesiade1minuto e atualmente procura uma forma de incluir sua arte na cena atual.  

 

Slam da Rampa - Batalha de poesia, uma alternativa para os jovens de Paracambi.  


Ingressos à venda ou retirada de senha gratuita na bilheteria de 3ª a domingo das 15h às 18h e em dias de evento de 15h às 20h ou pela internet na plataforma riocultura.superingresso.com.br

Informações: arenafernandotorres@gmail.com ou (21) 2143-2903.
Arena Carioca Fernando Torres fica na Rua Bernardino de Andrade, 200 - Madureira.

 

 

Compartilhar
Twitter
Please reload

ELIANE-site.jpg