Buscar
  • Alexandre Madruga

Moradores com casas na beira da Transolímpica sofrem com objetos jogados da pista

Atualizado: Jul 16

Até garrafa pet com urina e de vidro atingiram as residências

Inaugurada em julho de 2016 para os Jogos Olímpicos no Rio, o Corredor Presidente Tancredo Neves, mais conhecido como Transolímpica, rasgou espaços onde antes tinham casas ou ruas menores. Em alguns locais, como em Jardim Sulacap, residências ficaram a poucos metros da via expressa e além do barulho, outro problema vem incomodando os moradores da Vila Carolina, que tem entrada pela Avenida Marechal Fontenelle próximo a escola da Polícia Militar. Desde 2019, detritos tem atingido as casas, jogados por quem passa com veículos pela pista no sentido Vila Militar. Até garrafas de vidro foram atirados contra as residências.

"Também jogam fraldas sujas, pet com urina, carregador de celular e uma série de coisas. Em outubro de 2019, uma garrafa de vidro foi jogada e o morador que teve a casa atingida reclamou com a ViaRio, mas ela não tomou nenhuma providência, nem falou nada sobre o problema", afirma Louis Pierre, que faz parte da comissão dos moradores da Vila Carolina, junto com Marilucia Garrido, Ivano Rodrigues e Ravel Carvalho.

Administradora da Transolímpica, a ViaRio recebeu solicitações da comissão de moradores para que a concessionária fizesse a instalação de telas de proteção há quatro anos e até o momento nada foi feito.


Segundo a ViaRio, a função do gradil é impedir o acesso de pedestres na via, não estando associado à proteção de arremesso de objetos, visto que até mesmo a sua trama, não foi projetada para esse fim.

"Considerando isso, foi previsto em contrato a instalação de gradis nos trechos que estão no mesmo nível do urbano local. O suposto acontecimento trata-se de uma questão de segurança pública. A Concessionária informa que cumpre rigorosamente suas obrigações contratuais vigentes", finalizou a ViaRio, por nota.

A Secretaria Municipal de Transporte (SMTR) informou que vai notificar a ViaRio para que a concessionária reforce a fiscalização na via, especialmente o trecho citado.

"Cabe destacar que o usuário de vias públicas está subordinado ao Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que prevê multa para este tipo de infração", finalizou a nota da SMTR.

Esses espaços entre a mureta e as casas se chamam áreas remanescentes e alguns desses locais ficaram sob responsabilidade dos moradores. Mesmo com esse espaço, objetivos têm atingido as casas.

Foto de 2015 da obra em andamento no bairro, antes da construção da praça de pedágio


Matéria atualizada dia 16/07 às 18h

0 visualização
Ajude a manter vivo o Jornalismo Local

Pedimos sua contribuição para mantermos um jornalismo profissional, valorizando informações qualificadas, contra fake news e dando voz a nossa região. Somente com seu apoio e ajuda financeira, conseguiremos continuar trabalhando para todos vocês, que confiam na nossa missão.

© 2018 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil