• Leandro Borges - Fisioterapeuta

FISIOnews | Espondilite anquilosante: o que é?


Como o próprio nome diz, "espondilo" significa vértebra e "anquilose" significa fusão. A espondilite anquilosante é uma doença inflamatória que não tem cura, apenas tratamento, caracterizada por comprometer progressivamente, principalmente as articulações sacroilíacas (região inferior da coluna) e vertebrais, formando fusões ósseas nas articulações, começando nas regiões baixas da coluna, perdendo a mobilidade das mesmas. A prevalência é maior nos homens, atingindo com maior frenquência entre 20 a 40 anos de idade. Acredita-se que o fator genético esteja ligado a esta doença.

A dor e a rigidez lombar podem persistir por várias horas na parte da manhã, após a pessoa se levantar da cama ou ficar por várias horas em períodos de inatividade durante o dia.

O começo da doença normalmente é na fase da adolescência ou início da vida adulta, com um quadro de dor nas costas e na lombar. O paciente com espondilte anquilosante adota uma postura encurvada, com hipercifose dorsal, retificação da curvatura lombar e coluna rígida, chamada de postura do "esquiador".

A progressão da espondilite anquilosante, poderá resultar em anquilose generalizada, mesmo que rara, transformando em "coluna em bambu", assim ela é conhecida.

Além da articulações sacroilíacas e a lombar, outras articulações e orgãos poderão ser afetados:

- Ombros;

- Joelhos;

- Quadril;

- Olhos;

- Coração;

- Rins;

- Intestino;

- Sistema nervoso;

- Pulmões.

O diagnóstico de espondilte anquilosante deve ser clínico, radiológico e laboratorial. vejamos as 5 características clínicas que sugerem a doença: idade inferior a 40 anos, início insidioso com desconforto local, mais de 3 meses com os sintomas, rigidez na parte da manhã e melhora do quadro com exercícios físicos.

Um teste importante que auxilia no diagnóstico é o teste de schober, usado durante a avaliação do paciente, sendo através dele que vamos ver o grau de restrição para flexão da coluna.

Exercícios na fisioterapia deverão ser realizados baseados no grau de comprometimento de cada paciente. Na fase aguda, a busca do alívio da dor é constante. Lembrando que a perda da mobilidade é progressiva, então o profissional tem que realizar um protocolo de mobilização articular, buscando evitar que a doença progrida com rapidez, prevenindo de sequelas. Outra informação importante é em relação a uma boa postura, tanto ao se deitar como também ao sentar. Em alguns casos é importante realizar exercícios respiratórios, pois com a progressão da doença, poderá comprometer a caixa torácica também perder a mobilidade, tendo como consequência perda de expansão.

Leandro Borges é Fisioterapeuta e Instrutor de Pilates, Pós-graduado em Traumato-ortopedia com ênfase em Terapias Manuais.

Contato: 99550-9212 ( whatsapp )

Email: leandrorjfisio@hotmail.com

Blog do Facebook: Fisiot. Leandro Borges

#Fisioterapia

Clique na imagem para baixar aplicativo da Rádio para celular
image1.jpg
Ajude a manter vivo o Jornalismo Local

Pedimos sua contribuição para mantermos um jornalismo profissional, valorizando informações qualificadas, contra fake news e dando voz a nossa região. Somente com seu apoio e ajuda financeira, conseguiremos continuar trabalhando para todos vocês, que confiam na nossa missão.

© 2020 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil