© 2018 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil

  • Rosana Carvalho

Crime passional deixa vítima em Jacarepaguá


Jovem de 24 anos morre por ciúme de ex-companheiro

Mais um caso de feminicídio ocorreu esta semana. Desta vez, o crime aconteceu na Estrada dos Teixeiras na Taquara. Natasha Conceição Fonseca da Silva, 24 anos, foi morta a tiros dentro de casa por Rodrigo Bessa Paixão. A jovem estava com o sobrinho de oito anos, que presenciou o crime. A comunidade ficou abalada com o acontecimento, pois a vítima cresceu no local e cultivava muitos amigos na região.

“Ele tirou ela aqui do Teixeira novinha. Agora que ela estava mais madura e bonita, ele estava com muitos ciúmes”, diz Bruna Gabriela, uma das vizinhas de Natasha.

Segundo moradores, a jovem era estudiosa, alegre, vaidosa e gostava de sair nos finais de semana. Começou a se relacionar com Rodrigo há cerca de três anos e durante esse período, Natasha foi se intensificando nos tratamentos de beleza, inclusive, recebeu uma cirurgia estética de presente do rapaz, namorado na época. O casal passou a morar junto, mas há três meses o relacionamento acabou e ela voltou a morar com a mãe.

Natasha já havia feito registro de ocorrência na Delegacia da Mulher por agressão e conseguiu uma Medida Protetiva com base na Lei Maria da Penha.

Quando passou a se relacionar com outro rapaz, Rodrigo não aceitou o relacionamento e invadiu a casa da jovem. Ao fugir, levou a carteira e o notebook de Natasha. Durante o enterro, que aconteceu no cemitério do Pechincha, amigos usavam uma camisa estampada com a foto da jovem e a mensagem "Luto Natasha".

A Delegacia de Homicídios (DH) está trabalhando no caso e segundo o delegado Daniel Rosa, a equipe está ouvindo as testemunhas e fazendo diligências. Quem tiver informações sobre o paradeiro do suspeito, pode entrar em contato com o Disque Denúncia pelo número 2453-1177. O sigilo é garantido.

Feminicídio no Brasil é um dos maiores do mundo A Lei do Feminicídio foi uma conquista e um instrumento importante para dar visibilidade ao fenômeno social que é o assassinato de mulheres por circunstâncias de gênero, considerando-se que o crime envolva violência doméstica familiar e menosprezo ou discriminação à condição de mulher. Com a Lei 13.140, aprovada em 2015, o feminicídio passou a constar no Código Penal como circunstância qualificadora do crime de homicídio. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de feminicídios no Brasil chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres.

Rosana Carvalho é estagiária e foi supervisionada pelo jornalista Alexandre Madruga.