© 2018 Sulacap News

Jardim Sulacap - Zona Oeste do Rio de Janeiro - Brasil

  • Cristiane Pontes - Enfermeira

SAÚDEnews | Hepatite A: Precisamos falar sobre essa doença!


Houve um aumento expressivo de casos de hepatite A, na Comunidade do Vidigal no Rio de Janeiro(surto), sendo confirmada a transmissão pela água em maior parte dos casos. A imprensa divulgou o recolhimento de água em galões, fechamento de um restaurante, além da retirada de chuveiro da praia de São Conrado, pelos agentes da Vigilância Sanitária e das secretarias de Conservação e Meio Ambiente e de Ordem Pública da prefeitura.

Leia mais, AQUI.

Cinco diferentes vírus são reconhecidos como agentes causadores de hepatite viral humana. Hoje falaremos apenas sobre a hepatite A.

Infecção provocada pelo vírus da Hepatite A que entra no organismo através do aparelho digestivo e multiplica-se no fígado, causando neste órgão a inflamação denominada hepatite A, conhecida popularmente como hepatite infecciosa/ amarelão.A pessoa infectada elimina o vírus nas fezes, podendo contaminar a água onde não existem condições adequadas de saneamento básico, as pessoas que tomarem essa água contaminada ou ingerirem alimentos crus lavados com essa água, podem se infectar.

O vírus da hepatite A tem distribuição mundial e apresenta maior disseminação em áreas onde são precárias as condições sanitárias e de higiene da população. As medidas preventivas incluem o saneamento básico e as boas práticas de higiene pessoal. Outra forma de transmissão da hepatite A, é decorrente da falta de higiene adequada após evacuar, quando alguém infectado com o vírus manipula alimentos sem lavar as mãos após usar o banheiro.

É muito frequente a transmissão de hepatite A entre crianças, que muitas vezes não lavam bem as mãos, pegam brinquedos que outras crianças vão pegar e levam os brinquedos e as mãos à boca, dessa forma ingerindo o vírus.

Os primeiros sintomas da hepatite A podem ser semelhantes aos de um resfriado, como febre baixa, falta de apetite, enjoo, vômito, dor de barriga, desconforto abdominal e fraqueza. Mas podem evoluir para sintomas clássicos, que indicam possível contaminação.

Os sintomas específicos são a icterícia (cor amarelada) da pele e dos olhos e urina escura com cor de “Coca-Cola”. As fezes também podem se tornar esbranquiçadas ou acinzentadas. Os sinais e sintomas da hepatite A, geralmente aparecem 2 a 4 semanas após a infecção pelo vírus, que é o período de incubação do vírus. (o paciente pode transmitir a doença durante esse período).

A hepatite A não tem tratamento específico (TRATAMENTO SINTOMÁTICO-SINTOMAS). Geralmente, o organismo é capaz de lutar contra o vírus sozinho e ganha imunidade permanente contra a doença.

ICTERÍCIA:

Geralmente a doença dura menos de dois meses, mas pode durar um pouco mais em alguns casos. Raramente pode apresentar uma forma grave, chamada fulminante, que pode levar a óbito rapidamente. Alguns casos de infecção podem ser de forma assintomática e outras podem ser subclínicas onde os sintomas são tão vagos que podem ser confundidos com os de uma virose qualquer. O paciente continua levando vida normal e nem percebe que teve hepatite A.

O diagnóstico da doença é feito por meio de exame laboratorial, onde inclui as provas da função hepática e a pesquisa de marcadores sorológicos específicos para a doença (antígenos e anticorpos).

VACINA: Desde 2014, o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente vacina contra hepatite A para crianças de até cinco anos. Grupos considerados de risco como pessoas com doenças imunossupressoras, como hepatite B e C, e portadoras de HIV, também têm direito à vacina.Pessoas que residem na mesma casa que o paciente infectado também devem ser vacinadas.Com a vacinação, a pessoa produz anticorpos contra a doença e deixa de ser suscetível.

Cuidados: Só consuma comidas e bebidas de estabelecimentos que tenham condições de higiene aprovadas por órgãos sanitários.

Procure beber só água clorada ou fervida, especialmente nas regiões em que o saneamento básico possa ser inadequado ou inexistente;

Lave as mãos cuidadosamente antes das refeições e depois de usar o banheiro. A lavagem criteriosa das mãos é suficiente para impedir o contágio de pessoa para pessoa;

Não deve ser ingerido nenhum medicamento sem consultar um médico.

Não ingira bebidas alcoólicas durante a fase aguda da doença e nos três meses seguintes à volta das enzimas hepáticas aos níveis normais;

Avise ao seu médico se você tem diabetes ou qualquer outra doença crônica ou que comprometam o sistema imunológico.

Se a pessoa está doente, tem que redobrar os cuidados com essa higiene, porque, se não lavar as mãos corretamente, pode contaminar familiares.

A hepatite A não é transmitida por fluidos corporais ou secreções e, sim, pelo contato com as fezes de uma pessoa contaminada. Por isso, é importante manter relações sexuais sempre com proteção. Converse com o seu médico se: • Um restaurante onde você comeu recentemente relatou um surto de hepatite A • Alguém próximo a você for diagnosticado com hepatite A • Você teve contato sexual recente com alguém que tem hepatite A.

Em caso de dúvidas, procure o posto de saúde mais próximo.

Ambulatório de referência para tratamento de hepatites: Instituto Oswaldo Cruz (IOC) Serviço ambulatorial especializado em hepatites virais (Tipos A, B, C, D e E) de casos agudos, crônicos ou suspeitos. Endereço Avenida Brasil 4.365 – Manguinhos, Rio de Janeiro (RJ) CEP: 21.040-900

Contato: (21) 2598-4438

Procure seu médico se você tem sintomas similares aos da hepatite!

#HepatiteA #Saúde